2009/08/28

ménage

com isto de coiso, deu-me para arrumar o scriptorium... não que estivesse precisado, afinal está há quase um ano na mesma e nunca se queixou.
mas o importante(?) da coisa foi a descoberta de duas, melhor, uma e meia, sendo que a uma não está bem cheia... digamos, 1,32 sebentas que estavam parlá.
há lá algumas coisas meio outdated, mas a maioria dos textos mantém a tonalidade de sempre.
dado que é raríssima qualquer referência temporal, é difícil determinar com exactidão o tempo em que foram escritas (a maioria são desenhos, aliás). 2005 é uma hipótese... com calma, algumas coisas poderão aparecer por aqui.

fica, portanto, a ameaça...

diz qué isto...

2009/08/27

jovem!!!

- abres bem as pernas?
- levantas bem o rabo?
- transportas uma agulha de crochet para ajeitares as rastas?

então és cool!
bora beber uma mine?

ir aos arquivos não é mau...

há lá coisas com uma certa categoria.
na esteira da senda da arte de trocadilhismo, encontrei um dos melhores postas de todos os tempos.
tem por título "blow"...

2009/08/26

self-portrait in messy bedroom



contém camisa suja, guitarra, a mochila de sempre e o jornal da véspera

2009/08/25

nova lei de murphy

quando há qualquer coisa que pode correr mal, pode correr tudo bem.

nice little tune, hey?

technically...










... the difference between ordinary and extraordinary is that little extra.

bowen island music festival drunken moment

- did she drop the microphone?
- i don't think so...
- oh... her plug fell off...
- it happens...
- ...

(risos)

2009/08/24

milestone conversations, XXXVII

- my daughter will start this september her accordion classes...
- why accordion? how far do you think she´ll go playing the accordion?!
- i don't know. i don't really care. it's good discipline and she can play with me, i guess... besides, it's sorta like the cello: it's a sexy instrument for a girl. it's played with open legs and all...
- do you want your daughter to be sexy?!!
- of course! i want her to be happy... and i believe she'll be happier if she feels sexy! and also if she can play some fucking musical instrument! fuck!!

always here miles away

- então, voltaste?
- parece que sim.
- que tal?
- nada. agora nada.
- perguntava-te como foi...

asma

... por isso ele teve que regressar da irlanda.
não se deu bem com a humidade do local. logo agora que até tinha deixado de fumar.
seja como for, voltou. parece que tem que fazer uns tratamentos.
tem que fazer...
e ainda pode.
não fora esta chatice agora e ele podia ter morrido com os outros.
e ainda há gente que diz que percebe a vida...

shure... i got guitars... got the lyrics...



mas isto que se segue... isto é que está fora de questão!

One kiss from me and you'll see God
for we are the king of the boudoir, we are
and the king doesn't like to wait.

digo eu... sóbrio...

dreamcatcher II

2009/08/22

dreamcatcher... this could be my thing

um tipo chamado soaring eagle faz uns objectos interessantes a que dá o nome de dreamcatchers.
são pequenos círculos com uma pequena teia e vários motivos índios, elaborados a partir de pele, penas e ossos de vários animais, que se destinam a ser pendurados sobre o leito ou, dada a arquitectura ocidental (we don't live in "big houses"* anymore), sobre a porta de entrada do quarto.

justificação:
it is said that in the night air there are good dreams and bad dreams. the dreamcatcher allows the good dreams to pass trough the web and drift down to the one sleeping below. bad dreams become hopelessly tangled in the web, where they perish at the first light of dawn.

* cabanas comunitárias onde viviam várias famílias (e onde a circulação nocturna entre camas era livre). será desnecessário referir que a noção de "bad dream" nada tem a ver com a moral cristã...

723 mountainbike

óscar para "se eu fosse ministro não podia fazer isto"

nothin special about me...



e também gosto da "anatomia de grey"...

snug cove - bowen island

tu ias adorar isto:
- pai nos teclados
- mãe na guitarra acústica
- filha no violino
cenário:
baía, junto à marina.

som suave de voz... tudo...
e tudo contaminado pelos risos do pessoal (nem tanto pela sangria mais-do-que-aldrabada)
the hemp conversation.
the deck joke.

e eu estou com uma fome de cão.

tirei isto no warm-up:

tudo sobre mulheres casadas

d - ... after one kid or two they let themselves go.
me - shit! now that's one thing that can be misunderstood!

scavengers abroad

a fictional tale from a puritan country

está próximo o dia, suponho...
não faltará muito tempo (talvez tenha sido o sentido de urgência que nos ligou desde o início) para que me digas "não fiques triste" sem me dizeres onde estás...
di-lo-ás convictamente, com uma verdade difícil de encontrar na ligação entre as palavras e o seu significado. di-lo-ás a meia voz, na intensidade e modulação permitidas pelo recurso à pequena parcela da tua consciência que não se encontra submergida pelo prazer intenso.
"não fiques triste".
eu eu não fico triste. tristemente, não fico triste. (... também pode ter sido um certo sentido de impotência. uma impotência exterior...)
amo-te agora.
amas-me agora, simetricamente.
amo também (como tu. exactamente como tu: não amando) o homem que arremete contra o teu corpo, que te prende pelas ancas, que te... (como consegues tu ainda segurar o telefone?)... o homem que te trata como ninguém. percebes? como ninguém, como nada, como nem quase-coisa... não é fácil, isso. tu és difícil. o esforço que é preciso fazer para que te possas sentir tu!
não fico triste.
tenho o orgulho pouco disfarçado de quem obteve com muito esforço tudo aquilo que nunca quis. e, apesar de neste preciso momento duvidares disso, sou homem.
mas as fronteiras do nosso inter-tempo sempre foram definidas com uma economia de meios impressionante: "não fiques triste" é tão perfeitamente claro como a minha preferência por gatos, justificada de viés e ambígua como um luto antigo. (serve?)
nós somos assim. não é por mal. nem para o mal.
e seremos sempre nós, assim.
serve.
beauté oblige.
o tempo urge.

2009/08/21

alfa

segundo um artigo da edição de agosto da cosmopolitan americana, eu não tenho atributos de "alpha-male". isto deixou-me a pensar...
cheguei a uma conclusão: já gostei de alphaville, mas até prefiro as covers da ane brun. assim tipo isto:

future

- the job i have in mind for you is as easy (ou difícil, acrescentaria eu) as gettin into lady's panties... and i think you have what it takes.
- ...

mahjeek

- pai, há pessoas mágicas, não há?
- há, filho.
- eu vi, na minha escola, uma pessoa que fez magia.
- mas são coisas diferentes. há pessoas que fazem muitas coisas para fazer magia e só raramente o conseguem. há pessoas que são mágicas, simplesmente...
- conheci uma pessoa mágica na minha escola. e vi uma pessoa fazer magia no circo.
- também já me aconteceu, filho.
- as pessoas mágicas não morrem?
- não, filho. queres que te explique o que é a memória?
- não! quero comer gelado porque já comi tudo...

scavengers abroad (primeira versão: o ritual)

i like dead fish...

2009/08/18

simple logic



usei o refrão desta cancão (de que sempre gostei muito) numa conversa para ilustrar a lógica minimalista da américa do norte...
eu já fui mais complicado e vivia pior.

We rode for a while
Till the sun went away
And I realized it was a sort of an honor
Bein'around this girl
I felt embarassed
Of what I tried to do earlier that day
She was the saddest girl, I ever knew
She told me stories about the indian nations
And how the white man stole their lives away
And although she kinda liked me
She could never lust me
And when the sun comes up
We'd go our different ways

contém pequeníssima imprecisão

le grand O - the big O















pela primeira vez, o título precede o post: título, fotografia (quase em simultâneo), post.
porque eu sou assim.
mainada!

the golf joke (high-end dinner party scenery)

ela: so.. you from portugal right?
eu: yes, i am...
ela: are you golfing with them next thursday?
eu: so it seems. it should be fun, they are a fun group...
ela: oh, yes. they're great. i love george and the guys too, but i hate golf... after two holes i'm already tired.
eu: aaaaaaa... i don't usualy golf, but i've said that myself more than a few times...

the deck joke...

estávamos no terraco (deck, em estrangeiro).
músicos avulso tocavam descontraidamente enquanto outros músicos tocavam no palco. bebíamos sangria.
todos bebiam sangria.
a minha teoria do cravinho da índia e a sangria.
a música, a praia relvada, a marina, as pesoas, o negócio do cânhamo, a slide-guitar, eu a tirar notas carapáuticas (a seu tempo, a seu tempo...).

e a "deck joke"...
gajo x - hey, johnny, you got a nice deck.
gajo y - i know... it's a big deck, too. all the girls love my deck.
gaja z - it's not that big, your deck...
gajo y - what do you mean? the girls had a party at my deck, yesterday! it's bigger than x's and he owns that big white yacht...
gajo eu - maybe it's like with cars... people buy big yacths to compensate for their small decks...

ele há coisas...



ora está um indivído a tentar fazer uma espéce de mix entre as culturas lusitana e (para manter as proporcões) a cultura anglo-saxónica em virtude de nomeadamente andar há uns tempos a alternar duas línguas deferentes e dá-se o sucedido: alguém já o fez com brilhantismo e categoria.
resta-me o consolo (a vida é uma busca de felecidade, felecidade esta que é o saltar de um momento consolador para outro, suponhamos) de saber que as calças com aquele feitio dão para sacar gajas daquelas, que eu tenho-as. as calcas. as gajas, assim daquelas de coxa grossa, calçonito de napa e isso, não. mas é uma questão de tempo, que eu aprendo bem à primeira.
não?
isso é o que vamos ver, que eu nestas coisas tenho porras!

2009/08/11

update






antigamente eu opinava coisas acerca da danca, isto é, acerca do acto de dancar... hoje penso de modo diferente. aliás, hoje nem penso muito.

o 3rceiro de 4 cigarros...

enquanto olho fixamente a incidência da chuva sobre os cromados
ganho consciência de que podia saber o que sei hoje há já 20 anos atrás...
bastaria, para isso, ter acreditado em mim próprio.
e era, então, a altura de o fazer.

2009/08/06

eu sou um mosso prendado





é assim (dá-le!!!):
a malta comprou-se um leitor de mp3 mais decente e vá de ir ao site optimusdiscos fazer uns downloads porreiros... agora anda-se por aí, patrioticamente, a ouvir música tuga.
era isso ou tatuar um canto ou dois dos lusíadas. ou um canto e um livre indirecto, nao sei... enfim, o camoes mais da fase das bolas paradas, porque antes era a lírica e isso.

2009/08/04

reality show

cenário: festa de garagem, fim de tarde, quase noite.
personagens: eu, x com mais de 70 anos, convivas avulso, que aqui, agora, assumem o papel de figurantes.
aderecos: cerveja para mim, vinho tinto caseiro para x com mais de 70 anos.


x com mais de 70 anos - sabes, pá... eu nao me admiro que ela estivesse farta dele. divorciaram-se. mas mesmo assim, muito aguentou ela. olha que tu ve lá que ele até queria que ela metesse o coiso dele na boca. por isso...
eu - só?...
x com mais de 70 anos - o que? querias que ele lhe fizesse mais o que?
me - nem... nao é disso que estou a falar. estou a perguntar se foi só por isso que eles se divorciaram...
x com mais de 70 anos - ha?
eu - pode ter havido outros motivos... a gente sabe lá o que se passa em casa dos outros.
x com mais de 70 anos - mas que? mais coisas assim dessas, no foder?
eu - ha?
x com mais de 70 anos - nao nos estamos a entender...
eu - tambem acho...

ando há anos a dizer isto... ou algo tipo isto.


beautiful beautiful

comecei ontem a ler beautiful losers de leonard cohen, no ingles original. literatura admiravel que, estranhamente ou nao, está menos datada do que já esteve.
provavelmente será o livro que me vai ocupar até ao final das férias, tanto mais que vale como um todo mas presta-se a ser garimpado. podem distinguir-se pérolas (eu sei que as pérolas nao se garimpam(*). mas imagine-se que alguem tinha libertado pérolas numa nascente de montanha. o que foi? pode acontecer, ou nao?). de qualquer modo, a pérola aqui apresentada em último lugar (mas anterior äs demais, na obra) é esclarecedora.

1.
he had meant to use colorless nail polish merely as a preservative, but naturally he succunbed to his flamboyant disposition at the drug-store counter when confronted with that fortress of bright samples wich ranged the cardboard ramparts like so many canadian mounties. he chose a color named tibetan desire, wich amused him since it was, he claimed, such a contradiction in terms

2.
- ... great love needs a servant, but you don't know how to use your servants.
- how sould i ask her?
- with whips, with imperial commands, with a leap into her mouth and a lesson in choking.

3.
- do you think i can learn to percieve the diamonds of good among the shit?
- it is all diamond.


* o verbo garimpar faz-me lembrar do dia em que fui elevado á categoria de namorado oficial... nao seria mal pensado, nesses tempos.
vai correr tudo bem, de certeza.

golden brown (ou finesse, part II)


2009/08/03

já chateia!!!

- olha lá... a tua pic é em que formato?
- a minha pic, independentemente do que se possa dizer, é em formato quanto baste!!!!!

finesse

mas, para uma coisa mesmo de categoria, podemos sempre pedir a um amigo (ó antónio, nem me lembrei disto) que nos traga um marcador de veneza!!!
tem uma bela sonoridade, nao tem?

size matters (ou "o que se faz com ele")

comprei hoje um marcador de livros com um golfinho. o marcador, nao os livros, claro. esses até podem ter um bestiário completo. ou nem sequer ter bonecos, serem daqueles mesmo para intelectuais.

havia-os de 2 tamanhos.
comprei o mais curto, dado que as obras menores também tem o direito de ser marcadas.



uma bez, um senhor do norte, bestiu-se num bestiário e saiu de lá, coitadinho, quase a bater a bota todo arranhado, mordido, chupado, constingido, envenenado, picado, ferrado, cuspido, escoiseado, etc, etc...

sim, que eu, se tivesse um carro que funcionasse a piadas parvas, ia longe.

limpoku kamanga

parece que, durante o dia de hoje, me satisfazem o pedido...
calha bem.

grupo novo rock (western-pacific)


beer for breakfast

e entao nao é que está um gajo muito sossegado a tocar umas coisitas na guitarra e dá por si a tocar isto? (ou algo parecido, que os lyrics mais aldrabados nao podiam estar, excepcao feita ao chorus)





vá la a gente entender isto, ó o catano...
deve ser por ter estado toda a manha a ver hidroavioes a levantar voo em terra seca...

1 - west

reparei na matrícula: califórnia.
era uma carrinha branca, fechada. se fosse portuguesa teria, eventualmente, umas cortinas nos vidros de trás. mas ainda bem que nao tinha.
eu conduzia devagar: tinha ouvido na rádio que havia um acidente em port mann, mesmo antes da ponte, envolvendo um automóvel e um motociclo, de que resultou, pelo menos, uma vítima mortal.
primeiro só vi a rapariga que, tendo-se levantado do seu lugar ao lado do condutor, procurava qualquer coisa numa mochila de couro, no banco de trás. tinha o cabelo encaracolado e estava bronzeada. reparei que tinha uma tatuagem numa omoplata, preta e vermelha. pareceu-me particularmente animada. ria. enquanto o seu riso lhe iluminava o rosto o seu olhar cruzou-se com o meu. nao tenho a certeza de que me tenha sorrido. entretanto, deslocou-se para o seu lugar, colocando o conteúdo da busca na mochila na mao direita do também mas menos jovem condutor, também ele bronzeado, com um chapéu de abas pequenas viradas para cima e uma pera tingida de um louro muito claro. tambem ele ria.
instantaneamente (julgar as pessoas pela sua aparencia tem esta vantagem) classifiquei-os como um casal de amantes, independentemente do estatuto legal da relacao, claro está e como "pessoal boa-onda".
fomos algum tempo lado a lado. ocasionalmente eu olhava para eles, divertido com a imagem de duas pessoas apaixonadas que viajam para norte para fugir ao calor de s. francisco, por exemplo. lembrei-me que era aquele o dia da pride parade (durante muito tempo achei que nao havia nenhum motivo para que a comunidade gay tivesse orgulho da sua orientacao sexual. eu nao tenho da minha. hoje já lhe acho mais jeito. afinal de contas, eles tem a vida mais dificultada e ainda se conseguem divertir. isso justifica algum orgulho, penso eu). mas eles vinham de leste. se o seu destinho fosse a parada, terao feito um desvio, seguramente.
olhei para eles e foi entao que me dei conta da razao da movimentacao da rapariga: o homem encontrava-se a abrir, rodando a tampa, um frasquinho de vidro. quando a tampa se soltou completamente tinha unida a si um tubo de conta-gotas.
nao pode ser... - pensei - essencias florais...
diverti-me enquanto assiti á contagem das gotas para a língua dele. 1, 2, 3, 4.
eles repararam no meu ar sorridente enquanto os olhava e sorriram também. cumprimentei-os levantando a mao e, tendo-a fechado, levantando o polegar. ele retribuiu o gesto enquanto ela apenas sorria.
logo em seguida viraram para a saída da 126. aí, ela levantou-se e acenou-me.
eu continuei para o centro da cidade.

a traducao de heterossexual por straight é, no mínimo, empobrecedora. no máximo é fascista.

sputnik = companheiro de viagem

"e assim prosseguimos com as nossas vidas, cada um para o seu lado. por mais profunda e fatal que seja a perda, por mais importante que seja aquilo que a vida nos roubou - arrebatando-o das nossas maos - , e ainda que nos tenhamos convertido em pessoas completamente diferentes, conservando mesmo apenas a fina camada exterior de pele, apesar de tudo isso continuamos a viver as nossas vidas, assim, em silencio, estendendo a mao para chegar ao fio dos dias que nos coube em sorte, para logo o deixarmos irremediavelmente para trás. repetindo, muitas vezes, de forma particularmente habil, o trabalho de todos os dias, deixando na nossa esteira um sentimento de um incomensurável vazio."

sputnik, meu amor, haruki murakami

2009/08/01

random canadian

apontamento biográfico acerca de l. cohen (prólogo a entrevista):
"burning desire, passionate love and existencial angst"
"most of the songs are written about women"

(entrevista - cohen dixit)

"most of us... some of us may carry the dream of surrender."

"you can read the life you are living, but you can't change a single word"

(vou fumar um cigarro)

random pic...